Blog Santo Antônio
Notícias

Brasília - O volume de retiradas no primeiro bimestre deste ano, de R$ 18,670 bilhões, na caderneta de poupança é o maior para o período dos últimos 21 anos.

Banco Central começou a fazer o levantamento atual em janeiro de 1995. Até então, a maior quantidade de saques dessa aplicação, já descontados os depósitos, foi vista em 2015, de R$ 11,794 bilhões.

Em 2016, essa marca foi ultrapassada nos dois meses em questão. Em fevereiro, a retirada foi de R$ 6,264 bilhões no ano passado e de R$ 6,639 bilhões agora.

No caso de janeiro, a diferença foi muito mais gritante, já que, apenas no primeiro mês deste ano, o valor total de saques (R$ 12,031 bilhões) foi superior ao primeiro bimestre de 2015.

No ano passado, as retiradas líquidas da caderneta em janeiro foram de R$ 5,529 bilhões.

Fevereiro

Após a retirada líquida recorde de R$ 12,031 bilhões da poupança em janeiro, a quantidade de recursos que os investidores sacaram da caderneta em fevereiro, já descontadas as aplicações, ficou em R$ 6,639 bilhões.

De qualquer forma, é o pior resultado para o mês da série histórica do Banco Central iniciada em 1995.

Para meses de fevereiro, a pior marca até agora havia sido registrada no ano passado, quando as retiradas ficaram R$ 6,264 bilhões maiores do que os investimentos.

O resultado do mês passado só não foi pior porque no último dia ingressaram R$ 2,507 bilhões na poupança. No primeiro bimestre de 2016, as retiradas da caderneta somaram R$ 18,670 bilhões.

Até então, a conta estava negativa em R$ 9,146 bilhões. Isso ocorre com o sazonal aumento dos depósitos na caderneta no último dia útil por causa de aplicações automáticas da conta corrente que alguns investidores já deixam programadas para ocorrer.

A acentuada deterioração da caderneta se dá depois de uma recuperação em dezembro do ano passado, com a injeção de recursos do pagamento do 13 salário.

O saldo positivo de R$ 4,789 bilhões no último mês de 2015 interrompeu uma série de 11 meses de resultados negativos.

Ao longo de todo o ano passado, portanto, apenas em dezembro as captações líquidas superaram as retiradas.

Além da piora do cenário econômico e do aumento do desemprego, o início de todos os anos é marcado pela concentração de pagamento de impostos e de gastos extras com matrícula e material escolar.

Acabou a fase de sobra de recursos para aplicar na poupança. Ao contrário, necessidades financeiras fazem brasileiros retirarem dinheiro da aplicação.

De acordo com o BC, o total de aplicações no mês passado foi de R$ 152,451 bilhões e o de saques, de R$ 159,090 bilhões.

O saldo desse investimento está em R$ 646,085 bilhões, já considerando os rendimentos de R$ 4,082 bilhões de fevereiro.

Mais uma vez, o patrimônio da caderneta recuou, como aconteceu pela primeira vez em um ano em 2015.

Outro ponto que pesa contra a poupança é que há no mercado investimentos mais rentáveis, atrelados ao dólar e aos juros, por exemplo, e que fizeram a caderneta perder o brilho.

A remuneração da poupança é formada por uma taxa fixa de 0,5% ao mês mais a Taxa Referencial (TR) - esse cálculo vale para quando a taxa básica de juros (Selic) está acima de 8,5% ao ano e atualmente está em 14,25% ao ano.

Por causa dessa sangria na poupança vista desde o início do ano passado, o setor imobiliário passou a reclamar de falta de recursos para financiamentos de casas e apartamentos.

Para minimizar esse quadro, o BC decidiu liberar os bancos em 2015 para usarem R$ 22,5 bilhões dos depósitos da poupança que são obrigados a manter na instituição para desembolsos nas operações de financiamento habitacional e rural.

Mais recentemente, esses recursos foram liberados para serem usados também em investimento em infraestrutura.

Fonte: Exame

A China traçou para este ano um objectivo de crescimento da sua economia entre 6,5% e 7%, menos que os 7% que tinha projectado no ano passado (e que acabou por ficar nos 6,9%, o mais baixo crescimento de 25 anos), e o primeiro intervalo que o Governo chinês tem desde 1995, de acordo com a Bloomberg. A agência financeira realça, ainda, o facto da China não ter avançado qualquer projecção para o seu comércio, o que é visto como um realçar da incerteza sobre a evolução futura da economia global.

A China, de acordo com o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, precisa de crescer pelo menos 6,5% nos próximos cinco anos para conseguir o objectivo de duplicar o rendimento per capital face aos níveis de 2010.


"Por um lado, vamos focar-nos na realidade actual e traçar metas para resistir à pressão de abrandamento na economia, mas por outro lado, temos de ter os nossos objectivos de longo prazo em mente, e manter algumas ferramentas políticas na carteira para futura utilização, planear os nossos movimentos e reunir forças", declarou este sábado, 5 de Março, Li Keqiang no seu discurso perante o Congresso Nacional Popular, que abre a legislatura em Pequim, e que recebe 3.000 delegados. 

Contam as agências internacionais que os líderes chineses, tradicionalmente, anunciavam objectivos de crescimento a níveis facilmente alcançáveis, e que eram, por norma, até ultrapassados. Não foi o que aconteceu em 2015. Ao apresentar um intervalo de crescimento, para este ano, a China tenta ampliar a meta de crescimento. As revisões em baixa seguem-se à divulgação de que em Fevereiro a produção industrial chinês contraiu.

A economia chinesa tem dado sinais de abrandamento, num momento em que o país revê o seu modelo económico, para uma sociedade assente, não no investimento e no comércio, mas no consumo privado. A projecção avançada este sábado aponta para uma inflação de cerca de 3%.

O plano reflecte a determinação de crescimento do Governo chinês, mas ao mesmo tempo adia o confronto com a elevado nível de endividamento, que está perto dos 250% do PIB (produto interno bruto). 

É também por isso que o governo chinês aponta para a possibilidade de aumentar o défice público para os 3%, o equivalente a 2,18 biliões de yuans (303 mil milhões de euros), o que será o mais elevado desde que a República Popular da China foi criada, em 1949. Em 2015, o défice foi de 2,3%. Já tinha sido revelado na sexta-feira que a China pretende aumentar o seu orçamento para a defesa em 7,6%, aliás como tem estado a acontecer com os vizinhos asiáticos. Japão e Austrália tem reforçaram o seu orçamento militar. Mas no caso da China é, no entanto, o mais baixo crescimento dos últimos seis anos, segundo fonte governamental em declarações à agência Xinhua, citadas pelo The Guardian.



Nos objectivos traçados, o primeiro-ministro chinês aponta ainda para a criação de 10 milhões de postos de trabalho urbanos em 2016, mas colocando a taxa de desemprego nas regiões urbanas nos 4,5%. MAs a China diz traçar o objectivo de crescimento entre 6,5% e 7% a pensar no emprego.

Li Keqiang deixa, no entanto, avisos no seu discurso: "a China enfrentará mais e mais difíceis problemas e desafios no seu desenvolvimento este ano, por isso temos de estar totalmente preparados para lutar numa dura batalha. Internacionalmente, a economia global está a sofrer profundas alterações e a lutar pela recuperação. O crescimento no comércio é fraco. Os riscos geopolíticos estão e a crescer e há volatilidade nos mercados financeiros e de matérias-primas. E há crescente instabilidade e incertezas no nosso ambiente externo. Não podemos subestimar o impacto que isto pode ter no crescimento chinês".

O discurso continua com os desafios internos. "Problemas e riscos criados nos últimos anos estão a tornar-se mais evidentes. A mudança no ritmo de crescimento, as dificuldades associadas aos problemas estruturais e a mudança dos motores de crescimento estão a levar a pressões sobre o crescimento". Perante isto, no entanto, Keqiang garantiu que a China não se vai ensombrar com estas dificuldades. "Não há qualquer dificuldade que não consigamos ultrapassar".

Fonte: jornaldenegocios

Em meio à crise, a indústria automotiva brasileira produziu menos da metade de sua capacidade neste 1º bimestre, segundo a associação das montadoras, a Anfavea. "Em janeiro e fevereiro, operamos em ociosidade de 64%", disse o presidente da entidade, Luiz Moan, na última sexta-feira (4), ao apresentar o balanço mensal. "A sustentabilidade do setor está bastante prejudicada", completou.

Segundo ele, o país tem capacidade para produzir 5 milhões de carros, caminhões e ônibus ao ano, mas deve fechar 2016 com 2,44 milhões fabricados, ou seja, metade da capacidade.

A Anfavea diz não ter como comparar este nível de ociosidade com o de outros anos por fazer esse levantamento apenas pontualmente e não ter uma série histórica. 

No ano, de acordo com a previsão, as fábricas de carros usarão 50% da capacidade; as de veículos pesados, apenas 26%.


Em 2015, pela primeira vez, desde 2007, a produção de veículos no Brasil ficou abaixo de 3 milhões de unidades.

Assim, o país perdeu mais uma posição no ranking mundial: terminou em 9º lugar, atrás de China, Estados Unidos, Japão, Alemanha, Coreia do Sul, Índia, México e Espanha, de acordo com dados da associação mundial dos produtores, a Oica.

O país também caiu no ranking mundial de vendas : foi da 4ª posição, em 2014, para a 7ª, sendo ultrapassado por Alemanha, Índia e Grã-Bretanha, conforme levantamento da consultoria Jato Dynamics. O ano de 2015 foi o terceiro seguido de queda nos emplacamentos no Brasil, com um tombo de 26,5% .

Neste 1º bimestre, as vendas de veículos caíram 31% em relação ao mesmo período do ano passado . Com vendas em baixa, as montadoras reduzem a produção, a fim de manejar os estoques. Em janeiro e fevereiro saíram das fábricas 31,6% menos carros, caminhões e ônibus do que no 1º bimestre de 2015 . Mesmo assim, fevereiro teve estoque para 46 dias nos pátios e concessionárias, um número considerando alto.

Com o freio na produção, as empresas lançam mão de recursos como a suspensão temporária de contratos, o chamado "layoff", para lidar com a ociosidade nas fábricas.

Diversas aderiram ainda ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE), que reduz o número de horas trabalhadas e o salário.

Segundo Moan, atualmente, as montadoras têm 36,4 mil empregados com algum tipo de restrição na jornada, sendo 29.100 no PPE e 7.300 em "layoff", incluindo os 1.500 da Mercedes-Benz em São Bernardo do Campo (SP) e 800 que estão em férias coletivas na Volkswagen, na mesma cidade, e que, segundo o sindicato local, deverão entrar em "layoff" posteriormente.

A Anfavea prevê que mais 1,8 mil empregados entrarão em "layoff", o que corresponde ao grupo da fábrica da Ford, em Camaçari (BA) , onde é feito o Ka, um dos carros mais vendidos no país.

A indústria automotiva fechou fevereiro com 130.262 empregados, montante 0,7% maior do que em janeiro, mas 8,5% inferior ao de 1 ano atrás, considerando também as fábricas de máquinas agrícolas.

Somente nas fábricas de autoveículos (carros, caminhões e ônibus), havia 114.887 empregados em fevereiro, volume também 0,8% maior do que em janeiro e 7,4% menor do que em no mesmo período do ano passado.

Ranking de produção de veículos Em 2015, em milhões de unidades   Fonte: Oica

Em 2015, a indústria de autoveículos encerrou o ano passado com 114.336 empregados, o menor número desde 2009.

Segundo levantamento do Site , feito com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, o setor automotivo fechou 108 mil vagas em 2015.

Os dados consideram, além das montadoras, os empregos em fabricantes de cabines, carrocerias e reboques; de peças e acessórios; empresas de recondicionamento e recuperação de motores; de manutenção e reparação de veículos; concessionárias e lojas de veículos usados; comércio de peças de reposição e acessórios; e postos de combustíveis.

Fonte: jornalfloripa

Fonte: Publicidade

Aconteceu nesta quinta-feira, 03, o coquetel de lançamento da EXPOLEM 2016, que com a presença da belíssima Miss Bahia, Autoridades, Imprensa e muitos empresários, no auditório SENAR no Sindicato Rural.

Na ocasião, o prefeito Humberto Santa Cruz ressaltou o sucesso da edição 2015 e apresentou as expectativas e as novidades para o quarto ano do evento que terá início no dia 10 a 14 de Maio na Praça dos Três Poderes.

A edição deste ano contará com mais de 100% de expansão da área da feira com mais estandes e lotes para os expositores, além da criação de dois pavilhões voltados ao setor imobiliário e automotor.

“A forma de vencermos é com criatividade e empreendedorismo e a janela é a EXPOLEM”, citou Emerson Cardoso, Coordenador da Unidade Regional do SEBRAE, ao falar da situação econômica do país e da oportunidade de crescer juntamente com a crise.

O SEBRAE em parceria com outras instituições está desenvolvendo o Programa de Capacitação Empresarial da EXPOLEM aonde o expositor terá a oportunidade de participar gratuitamente de treinamentos diferentes visando o melhor resultado dos expositores.

Além das mudanças estruturais, a EXPOLEM 2016 terá um plano de mídia diferente para garantir que a feira alcance todos os públicos. A mídia é a tradução de todo o projeto para o público a ideia do plano de mídia é fugir do convencional.

Durante a noite também foi realizado o sorteio de um estande, e concedido um desconto de 10% aos primeiros 20 expositores confirmados.

Pensando também nos visitantes, será disponibilizado transporte gratuito para as localidades mais distantes em todos os dias de realização da feira.

No site www.expolem.com você poder fazer um tour virtual pelo evento, conferir informações completas, verificar a disponibilidade dos estantes, programação e fazer downloads de informativos e materiais.

Fonte: ASCOM Expolem

Fonte: Grupo Santo Antonio

Fonte: Grupo Santo Antonio

Fonte: YouTube

A EXPOLEM – Negócios e Entretenimento de Luís Eduardo Magalhães chega a sua quarta edição apostando na ousadia. A principal novidade é a data de realização da feira, que este ano não será realizada no mesmo período da Bahia Farm Show. A EXPOLEM acontecerá entre os dias 10 e 14 de maio, enquanto a Bahia Farm Show, entre os dias 24 e 28 de maio.

Para o presidente da Associação Comercial e Empresarial de Luís Eduardo Magalhães (ACELEM), Marcelo Piccolo, o sucesso da EXPOLEM só é possível graças à parceria entre os setores público e privado. “A feira nasceu de uma demanda dos comerciantes locais que não se beneficiavam da realização da Bahia Farm Show e por isso teve três edições realizadas no mesmo período. Agora estamos dando um passo a frente. Trabalhamos para tornar a EXPOLEM maior e mais organizada para agradar tanto o público quanto os expositores”, pontuou.

O cenário de crise que vive o país e, consequentemente, o município de Luís Eduado Magalhães precisa, de acordo com o Coordenador da Unidade Regional do SEBRAE, Emerson Cardoso, ser encarado como uma oportunidade. “É o momento de juntos fazermos algo diferente. Cada empresário precisa estar atento e pesquisar sobre novos nichos de mercado”, comentou, lembrando que o município só tem a ganhar com a realização de dois eventos de grande porte no mesmo mês.

Segundo o prefeito Humberto Santa Cruz a EXPOLEM, depois de três edições, se consolidou no calendário de eventos do município, ganhando sua própria autonomia. “A EXPOLEM é um exemplo de investimento que deu certo”, disse. “Luís Eduardo Magalhães é uma cidade que surpreende. Mesmo em tempos de crise, continuamos com uma taxa de crescimento de cerca de 8% ao ano. Realizar a EXPOLEM é trabalhar no fortalecimento do comércio local e no desenvolvimento econômico do município”, enalteceu o prefeito, destacando que a edição 2016 é uma janela de oportunidades para o micro e pequeno empresário local.

Em três edições, a EXPOLEM passou de 80 para 150 expositores. O número de visitantes saltou de 15 mil para 50 mil, enquanto o número de negócios de R$ 2 para R$ 5 milhões. Ao final da cerimônia foi realizado sorteio de um stand para os empresários que compareceram ao lançamento.

A EXPOLEM é uma realização da Prefeitura de Luís Eduardo Magalhães, através da Secretaria de Indústria, Comércio e Serviços, Associação Comercial e Empresarial de Luís Eduardo Magalhães (ACELEM), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) e LIVE Produções. O evento tem apoio da Caixa Econômica Federal, Governo Federal, Secretaria de Indústria, Comércio e Mineração da Bahia e Sindicato Rural. Mais informações no site: www.expolem.com

Fonte: ASCOM, Prefeitura de LEM

Fonte: Informativo

Aconteceu na segunda-feira, 29, às 10h, no plenário Arnaldo Horácio Ferreira, na Câmara de Vereadores, audiência pública para apresentar as demonstrações anuais e prestação de contas do terceiro quadrimestre do exercício de 2015 do Executivo Municipal de Luís Eduardo Magalhães. A audiência cumpre com a exigência legal nos termos do Parágrafo 4º do Art. 8º da Lei Complementar nº 101 de 04 de maio de 2000.

O objetivo da audiência é demonstrar as receitas arrecadadas neste período, apresentar as despesas realizadas e o quadro geral das dívidas do município; avaliar os índices legais de aplicação em saúde, educação e de despesas com o pessoal, além de permitir a integração da população com a Administração Municipal.

Neste terceiro quadrimestre o valor aplicado na saúde foi de R$ 36.404.430,41, o que representa 19,92% dos investimentos nesta área. Já na educação o valor aplicado foi de R$ 50.852.556,65, o que representa 28,23% dos investimentos e no Fundeb de R$ 33.159.420,89, que representa 69,21%.

Fonte: ASCOM, Prefeitura de LEM

Fonte: Grupo Santo Antonio

O prefeito de Luís Eduardo Magalhães, Humberto Santa Cruz, se reuniu na tarde desta quarta-feira, 02, em seu gabinete, com a Presidente do Sindicato dos Produtores Rurais, Carminha Missio. Em discussão, a estiagem e as altas temperaturas que tem prejudicado as lavouras da região, em especial, as localizadas no município. Também participaram do encontro o secretário de Governo, Renato Faedo, o produtor rural e Diretor de Capacitação do Sindicato, Luiz Antônio Pradella e o Diretor Técnico Jarbas Bergamaschi.

Uma das medidas que devem ser adotadas nos próximos dias, visando preservar o produtor rural e a atividade agrícola no município e região é o decreto de estado de emergência. Antes, o Sindicato dos Produtores Rurais de Luís Eduardo Magalhães encaminhará ofício nominal ao Prefeito Humberto Santa Cruz solicitando que seja feito o decreto.

A presidente do Sindicato dos Produtores Rurais, Carminha Missio, é taxativa em dizer que a lavoura da fazenda de sua propriedade, literalmente, “derreteu”. Segundo ela, esta é expressão que vem sendo utilizada pelos demais produtores rurais do município e região para descrever o que vem acontecendo com suas plantações. “Por isso precisamos, o quanto antes, tomar medidas emergenciais para resguardar os agricultores nesse momento de dificuldade”, comentou Carminha Missio.

O objetivo do decreto de estado de emergência é oferecer aos agricultores maior segurança para solicitar novos créditos junto às instituições financeiras. “Muitos produtores estão perdendo suas lavouras devido à seca, altas temperaturas ou pragas, que nestas condições, são ainda mais agressivas. Precisamos dar segurança para os agricultores para amenizar os prejuízos que a estiagem e o calor em excesso implicarão à safra 2015/2016”, pontuou Humberto.

Fonte: ASCOM, Prefeitura de LEM

Fonte: ASCOM, Câmara Municipal

Para intervenção de entroncamento na rede de abastecimento para levar água ao Residencial Boa Sorte, em Barreiras, a Embasa vai suspender temporariamente o fornecimento de água amanhã, sábado, 05, a partir das 17h. Serão afetados os imóveis localizados nos seguintes bairros e povoados: Baraúna, Barreiras Sul, Cinturão Verde, Loteamento São Paulo, Recanto dos Pássaros, Loteamento Antônio Geraldo, Ribeirão, Vila Regina e parte do Centro.

O fornecimento será gradativamente retomado após a conclusão do serviço, prevista para as 22h do mesmo dia. A interrupção é pontual não deverá afetar os imóveis que contam com reservação adequada às necessidades diárias de consumo dos seus moradores.

Recomenda-se, no entanto, que a população, durante este período, utilize a água reservada sem desperdícios priorizando as atividades básicas. Os demais bairros de Barreiras não serão afetados. Em caso de dúvidas, os moradores podem entrar em contato pelo 0800 0555 195.

Fonte: Ascom Embasa
04
Mar / 2016

Motivacional

Fonte: YouTube

A cidade chinesa de Wuhan, no curso médio do rio Yang-Tsé, deparou nestes dias com a surpreendente imagem de um avião Boeing 737 "estacionado" no centro da cidade, onde será utilizado como restaurante, informou nesta sexta-feira (4) o portal de notícias "China.com".

O avião, com capacidade para 200 passageiros, foi adquirido por um empresário local da companhia aérea indonésia Batavia Air, como é possível ver em sua fuselagem, e está rodeado de andaimes pelos trabalhos de remodelação que o transformarão em um estabelecimento para comida.

Situado em uma das áreas comerciais mais movimentadas de Wuhan, uma cidade de 8 milhões de habitantes, o restaurante contará com um simulador de voo para entreter os comensais, situado, como não podia ser de outro modo, em sua cabine.

No passado, empresários chineses adquiriram porta-aviões não mais utilizados para usá-los em iniciativas similares, mas é a primeira vez que um avião comercial de grande tamanho é usado em um negócio deste tipo.

O antigo porta-aviões soviético "Kiev" foi reconvertido em 2011 em um hotel de luxo no porto setentrional chinês de Tianjin, enquanto seu antigo companheiro de frota, o "Minsk", é há 20 anos parte de um parque temático de Shenzhen (cidade vizinha a Hong Kong).

Fonte: uol

O deputado federal Jair Bolsonaro oficializou, nesta quarta-feira (3), a sua filiação ao Partido Social Cristão (PSC) e sua pré-candidatura à Presidência da República em 2018. De acordo com o Extra, o anúncio foi feito pelo presidente nacional da sigla, pastor Everaldo, durante cerimônia realizada em Brasília. “Estamos recebendo aqui o deputado Jair Bolsonaro, com a missão de representar o Partido Social Cristão na eleição de 2018. E, a partir de hoje, ele é pré-cadidato à Presidência da República”, disse Everaldo no evento, sendo interrompido por gritos de “Mito! Mito! Mito!”.

Apesar de ter deixado o PP, contudo, a candidatura de Bolsonaro ainda não está garantida pelo PSC. Everaldo teria combinado com o deputado que, se Jair chegar a 10% das intenções de voto, ficará com a vaga para disputar a Presidência pela legenda em 2018.

Fonte: Extra

Uma anta albina, animal extremamente raro, foi filmado nadando nas águas do rio Juquiá, em Tapiraí (SP), no Vale do Ribeira. O flagra foi captado por um funcionário do Grupo Votorantim, responsável pela reserva ambiental particular Legado das Águas, onde o animal foi filmado em 26 de fevereiro.

Maior mamífero brasileiro, a anta é herbívora e geralmente tem a pele em tom acinzentado. No caso do macho filmado, o albinismo é resultado de uma mutação genética rara que faz com que os exemplares não tenham nenhum pigmento na pele. Por isso, ela fica branca e os olhos, avermelhados.

Segundo o gerente geral de sustentabilidade da Votorantim, David Canassa, a presença da anta albina dá indicação do nível de preservação da área. "Até os moradores locais achavam que a existência da anta albina era uma lenda. A presença desse animal mostra que o excelente estado de preservação dessa região. Antes, aqui no Brasil, só sabíamos da espécie em cativeiro, mas agora já conhecemos o território que ela costuma frequentar", explica.

A existência da anta albina foi registrada pela primeira vez em 2014, nesse mesmo local, uma reserva de 31 mil hectares mantida há mais de 50 anos pelo Grupo Votorantim. Na ocasião, o fotografo e biólogo Luciano Candisani fez uma armadilha fotográfica que registrou a anta albina. A imagem, entretanto, foi divulgada apenas em 2015, após publicação de estudo internacional sobre o tema.

Candisani conta que se trata do mesmo animal. "Esses registros foram os primeiros a comprovar a existência de uma anta albina vivendo em seu habitat natural no Brasil", garante o fotógrafo.

Fonte: uol

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) adiou para o próximo dia 31 de maio o prazo para quem conduzir as chamadas motos "cinquentinhas" obter a habilitação. A decisão foi publicada nesta quinta-feira (3), no Diário Oficial da União, 4 dias depois de o prazo anterior vencer.

Assim, a multa para infratores começará a ser aplicada a partir de junho. Conduzir um veículo sem habilitação é considerado infração gravíssima, com o valor de R$ 191,54 multiplicado por 3, totalizando R$ 574,62. Além disso, a punição inclui 7 pontos na carteira de habilitação e retenção do veículo.

Estados tinham adiado multa
O Nordeste é o maior mercado brasileiro das "cinquentinhas" e alguns estados da região já tinham prorrogado a fiscalização, alegando que as autoescolas ainda não estavam preparadas para dar aulas em ciclomotores.

A multa não estava sendo cobrada em Alagoas, Ceará e Piauí, segundo levantamento do G1realizado entre a última segunda (29) e esta quinta (3). "Sem a possibilidade de fazer aulas práticas no estado, o Detran não está emitindo habilitação nem está multando, apenas fazendo os emplacamentos", afirmou o Detran-CE.

Goiás e Santa Catarina disseram que não estão aplicando multas porque ainda não estão adaptados às novas normas.

Falta do curso para ACC
De acordo com o Contran, quem dirige "cinquentinha" precisa ter a carteira da habilitação (CNH) na categoria A, de motos, ou a chamada Autorização para Conduzir Ciclomotores (ACC), que é específica para esses veículos. Nem todas as autoescolas, porém, oferecem o curso para obtenção da ACC.

Em dezembro passado, quando fixou o primeiro prazo para multar quem não tinha habilitação, o Contran também deu 6 meses para que os Centros de Formação de Condutores (CFCs) adquirissem esses veículos para dar o curso de obtenção da ACC. A partir de junho, eles serão obrigados a oferecer essa opção.

Os processos para tirar a CNH e moto e a ACC são semelhantes, incluindo aulas teóricas, práticas e prova prática. Os Detrans costumam cobrar o mesmo valor de taxas tanto para emitir a CNH quanto o ACC --custos de autoescolas, no entanto, variam.

Fonte: g1
  Curta nossa página
  PUBLICIDADE

| Todos os Direitos Reservados |