Blog Santo Antônio
Notícias

Segundo o laboratório, o estudo feito no Brasil mostrou que a vacina foi até 20% mais eficaz quando os voluntários recebiam a segunda dose com um intervalo de três semanas ao invés de duas. Enfermeira do Hospital das Clínicas (HC) exibe ampola da Coronavac, vacina produzida pelo Instituto Butantan, em parceria com o laboratório chinês Sinovac.
Divulgação/GESP
O laboratório chinês Sinovac disse, nesta segunda-feira (18), que o estudo clínico da CoronaVac realizado no Brasil mostrou que o imunizante foi até 20% mais eficaz em um pequeno subgrupo de pacientes que receberam a segunda dose com um intervalo maior da primeira.
Eficácia da CoronaVac: veja 10 perguntas e respostas
Ministério da Saúde começa a distribuição da CoronaVac para todo o Brasil
Oxford e CoronaVac: veja raio X das vacinas aprovadas pela Anvisa para uso emergencial
A taxa de proteção para 1.394 voluntários que receberam doses da CoronaVac ou um placebo com intervalo de três semanas entre elas foi de quase 70%, disse um porta-voz da Sinovac.
Pesquisadores do Instituto Butantan, que liderou os testes com a CoronaVac no Brasil, disseram na semana passada que a eficácia geral da vacina foi de 50,4% com base nos resultados dos testes em um grupo de 9 mil voluntários que receberam as doses com intervalo de 14 dias entre elas. O instituto também disse que a vacina foi 78% eficaz na prevenção de casos leves de Covid-19 e 100% em evitar quadros moderados e graves.
Domingo histórico: Anvisa aprova uso emergencial das vacinas Coronavac e de Oxford
O porta-voz da Sinovac disse que um pequeno grupo de voluntários receberam a segunda dose após um intervalo maior em relação à primeira devido a uma série de razões, sem entrar em detalhes.
O intervalo entre as doses das vacinas contra Covid-19 se tornou um tema quente de debate entre cientistas, reguladores e governos.
Entenda a discussão sobre o intervalo maior entre as duas doses da vacina
Reguladores do Reino Unido disseram que a vacina da AstraZeneca com a Universidade de Oxford é mais eficaz quando aplicada com um intervalo maior entre as doses do que inicialmente planejado.
No domingo, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o uso emergencial no Brasil da CoronaVac e da vacina Oxford/AstraZeneca e o imunizante do laboratório chinês começou a ser aplicado no país.
O Reino Unido também decidiu permitir um intervalo maior entre as doses da vacina da Pfizer com a BioNTech, apesar de as empresas afirmarem que só têm dados de eficácia para um intervalo mais curto.
O porta-voz da Sinovac alertou que a robustez dos dados do sub-grupo é menor do que o dado da eficácia geral.
Embora os pesquisadores da Sinovac tenham dito que testes em estágio inicial mostraram que um intervalo de quatro semanas entre as doses induziu uma resposta imune mais forte do que com intervalos de duas semanas, é a primeira vez que a empresa divulga dados de eficácia do estudo em Fase 3 com padrões de doses diferentes do protocolo inicial.
A Sinovac ainda não divulgou o resultado global dos testes em Fase 3, mas sua vacina já foi aprovada para uso emergencial em países como Turquia e Indonésia, além do Brasil.

Fonte: G1

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - The Voice+, reality musical exclusivo para talentos a partir de 60 anos, estreou na tela da Globo neste domingo (17) à tarde para completar a família The Voice, que já conta com o The Voice Brasil há nove anos e com o The Voice Kids, há cinco. O público tem agora ainda mais motivos para torcer e recebe dos talentos uma importante lição: sonhos não envelhecem.

 

Apesar de ser o caçula da família, o modelo é o que reúne os candidatos mais experientes. O The Voice+, com direção artística de Creso Eduardo Macedo e direção-geral de Angélica Campos, conta com apresentação de André Marques, com Thalita Rebouças nos bastidores.

Entre os técnicos, a estreante Ludmilla se juntou a Mumuzinho, chegado à turma no ano passado, e aos experientes Claudia Leitte e Daniel.

O programa estreou com as emocionantes audições às cegas, etapa já conhecida pelo público, na qual os candidatos se apresentam e são avaliados pelos técnicos apenas pela voz.

Catarina Neves, 81, natural de Sorocaba e residente em Campinas, abriu a temporada. "Sou uma mulher à frente do meu tempo. Meu casamento durou uns 30 anos", disse ela. "Um dia dei a louca e falei que homem nenhum ia mandar em mim". Com 52 anos, ela se casou novamente, com um rapaz de 23, com quem vive até hoje. Catarina tem 5 filhos, 11 netos e 12 bisnetos. Todas as cadeiras se viraram para ela. "Eu quero o Daniel", escolheu prontamente.

Em seguida veio Vera Maria Ambrozio, 74, de Porto Alegre. Diarista aposentada, interpretou "Isto Aqui, o Que É?", samba de João Gilberto. Emocionada, ela aproveitou para agradecer aos netos gêmeos por terem feito sua inscrição. "Cantei bastante tempo, a banda parou há três anos pela morte de um dos cantores", revelou. Entre Mumuzinho e Lud, ela não teve dúvidas: "Eu vou ficar com a Ludmila", escolheu.

Sua apresentação contou com uma entrada da icônica cantora norte-americana Dionne Warwick, dona de hits como "Heartbreaker" e "That's What Friends Are For". Dionne gravou um vídeo de incentivo para Vera. É que elas se conheceram 30 anos atrás quando a famosa artista esteve no Rio Grande do Sul.
"Olá, dona Vera Maria! É a Dionne. Me agrada dizer essas poucas palavras em seu nome. Agora, não foi nenhuma surpresa que você tenha passado tranquilamente pelas seletivas. E eu sei que, sem dúvida, você passará sem dificuldades nas audições às cegas. A sua linda voz deveria ecoar por todo o Brasil, como você merece. Então, boa sorte e Deus lhe abençoe. Um beijo. Tchau", disse Dionne.

A brasileira recordou o encontro: "Minha patroa me ligou para jantar na casa dela. Fui para lá e, para minha surpresa, encontrei a Dionne Warwick. Cantei para ela, foi maravilhoso."

Geraldo Maia, 61, chegou de Pernambuco (Recife) e teve as quatro cadeiras viradas. Ele contou que começou a cantar aos 12 anos, influenciado pelo disco "Rosa dos Ventos", de Maria Bethânia. "Vim para cá pensando nessa pessoa. Alguma coisa nos une nessa jornada da música", disse, ao escolher o time de Mumuzinho.

Quem também revelou que canta desde a infância foi Zeni Ramos, 67, de Salvador (Bahia). Ela, no entanto, praticou o talento no Mosteiro de São Bento, sendo a primeira mulher negra a cantar sozinha na história da instituição. Todas as cadeiras se viraram para ela, que foi aplaudida de pé pelos técnicos e acabou ficando com Claudinha Leitte.

Cantando "Fica Tudo Bem", Aurea Catarina, que completará 70 anos na próxima terça-feira (19), conquistou Ludmilla logo de início. Os outros técnicos também apertaram o botão. "Amo vocês, mas quero saber o que o Daniel vai fazer comigo", disse, ao fazer sua escolha, a candidata que contou com fã clube e torcida organizada vinda de Porto Seguro e Arraial D'Ajuda.

Fonte: G1

Fonte: Grupo Santo Antonio
18
Jan / 2021

O Quilombo está de LUTO

Faleceu nesta data, aos 49 anos, no Hospital Roberto Santos em Salvador, o distinto cidadão morrense JOSÉ ORLANDO RODRIGUES DE OLIVEIRA, líder no Povoado de Barra II e Presidente da Associação dos Moradores da referida comunidade.
 
À família enlutada os nossos sentimentos.
GRUPO GENTE DE MORRO DO CHAPÉU (FACEBOOK)
 

A comunidade quilombola de Barra II, de Morro do Chapéu, perdeu hoje uma liderança que desempenhou um papel importante na luta pela certificação, titulação e de direitos para aquela comunidade!

Foram muitos momentos que compartilhei ao lado do meu irmão camarada Zé Orlando!

Fomos os primeiros a debater e trazer políticas públicas voltadas para os Quilombos de Morro do Chapéu dentro do TICD, CMDS, SEPROMI, CDA, INCRA e do conselho quilombola da Chapada Diamantina.

Perdi minha maior referência naquela comunidade e com as lágrimas caindo, externo aos familiares e toda comunidade de Barra os meus sinceros votos de condolências!

Vá na fé meu irmão camarada!

Fonte: Leo Ricardo Notícias

Luís Eduardo Magalhães: montagem de governo técnico apresenta resultados nas primeiras crises

A decisão de montar um governo técnico, e não com loteamentos partidários, tem sido uma marca das novas administrações pelo Brasil a fora; em Luís Eduardo não foi diferente.

Ao assumir a prefeitura no dia primeiro de janeiro o democrata Junior Marabá prometeu fazer um governo diferente e voltado para a população que mais precisa dos serviços públicos.

Com apenas 14 dias à frente da sua administração, o prefeito Junior teve que encarar os problemas recorrentes gerados por uma chuva de mais de 100mm, que caiu por pouco mais de três horas. Este cenário destacou a qualidade das suas escolhas nas diversas secretarias; mas o destaque, sem dúvidas, ficou para a secretária de Assistência Social, Scheilla Bernardes.

Já na hora da montagem do Gabinete de Crise, na noite do dia 14, a secretária Scheilla Bernardes já era sinônimo de disposição e entrega. “Gente, vamos para rua. Temos que ver o que está acontecendo na rua e nas casas dos mais atingidos”, já cobrava da equipe presença.

Dentro das casas alagadas Scheilla fez vídeo e pediu ajuda. Nos dias seguintes, em parceria com a Polícia Militar, a secretária iniciou a campanha ‘Chuva de Solidariedade’. E o que era para ser uma ação de solidariedade, virou uma chuva de doações.

“A Scheilla foi uma guerreira nesse momento de crise. Se fez presente durante todo o tempo, correu atrás de soluções e não deixou os outros inúmeros problemas da sua Secretaria sem resolver. Ser produtivo durante os momentos de pressão não é para todo mundo. Estou muito satisfeito com os resultados da Scheilla”, disse o prefeito Junior Marabá.

Fonte: ASCOM

Secretaria de Esportes inicia melhorias em espaços públicos voltados à pratica esportiva

A Secretaria de Juventude Esporte e Lazer realizou uma série de vistorias para identificar as ações necessárias para revitalizar os equipamentos públicos voltados à pratica de esportes no município.

Nas visitas, a pasta identificou a necessidade de melhorias em quadras, estádios e ginásios. Na semana passada, as manutenções começaram no Estádio Coronel Aroldo, no bairro Santa Cruz e no campo de terrão do Mimoso 2.

O objetivo, é realizar as intervenções, para que o município esteja preparado quando as atividades esportivas retornarem.

“Assim que tivermos a liberação da Saúde, abriremos os espaços à população”, contou a diretora de Esporte e Lazer, Vânia Tsukuda.

Fonte: ASCOM

Iniciam hoje (18), as obras de limpeza e instalação de manilhas no Canal do Rio dos Cachorros. As obras acontecem na Av. Kiichiro Murata, que dá acesso ao bairro Cidade Alta, e na Rua Jatobá, que dá acesso ao Vale do Amanhecer.

Durante o curto período em que serão realizadas as intervenções, o motorista que precisar acessar esses bairros, deverá utilizar a Avenida ACM.

Os locais que estarão interditados durante a obra, serão devidamente sinalizados pela superintendência de Trânsito do Município – Sutrans.

“Os moradores dos bairros Cidade Alta e Vale do amanhecer, assim como as pessoas que fazem uso da Av. Kiichiro Murata e Rua Jatobá, deverão utilizar temporariamente a Avenida ACM”, disse o secretário de infraestrutura, Fanklin Willer.

“Vamos trabalhar para liberar estas vias o mais rápido possível. Estamos dependendo apenas da previsão do tempo. Pedimos paciência aos moradores da região, pois essa obra irá melhorar o fluxo das águas das chuvas, diminuindo os transtornos já conhecidos”, concluiu o secretário.


Situação do canal

A Prefeitura solicitou a paralisação das obras do canal, para que fosse realizada uma análise da situação atual e dos gastos já realizados.

“Estamos fazendo uma análise do projeto de construção do canal e também um levantamento para saber em pé está a obra e quanto já foi pago por ela”, disse o prefeito Junior Marabá.

Fonte: ASCOM

Depois da enxurrada de críticas e debandada para outros aplicativos como o Signal e o Telegram, o Facebook prorrogou a atualização das regras de privacidade do WhatsApp  para 15 de maio. O Facebook disse que recebeu muitas dúvidas e que circularam Fake News sobre a mudança. Também aproveitou para esclarecer que as mensagens, áudios e qualquer conteúdo que os usuários enviam são protegidos e não podem ser acessados pela empresa. 

Fonte: CNN Brasil

Está previsto para esta segunda-feira (18), o início do processo de distribuição das quase 6 milhões de doses da CoronaVac, imunizante contra a Covid-19 desenvolvido pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, para os 26 estados do Brasil e o Distrito Federal. As caixas já estão no Departamento de Logística da Saúde (DLOG), em São Paulo.

Segundo o Ministério da Saúde, a distribuição das vacinas será feita com aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) e caminhões com cargas refrigeradas. As companhias Azul, Gol, Latam e Voepass farão o transporte para os estados que necessitem de transporte aéreo.

Após as doses desembarcarem nos estados, os governos estaduais irão se encarregar de levar as vacinas até os municípios em parceria com o Ministério da Defesa. Os primeiros voos sairão de São Paulo, primeiramente para o Distrito Federal e para as capitais de 10 estados: Acre, Amapá, Amazonas, Ceará, Goiás, Mato Grosso do Sul, Piauí, Rondônia, Roraima e Santa Catarina.

– Nesta segunda-feira, às 7h, a distribuição das vacinas irá para todos os estados brasileiros, para que cada governo possa dar início ao plano de vacinação. O DLOG vai fracionar, agora, as quantidades corretas para cada estado. A Força Aérea Brasileira vai fazer a entrega nos pontos focais. A partir daí, os estados fazem a distribuição local – disse o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

Na tabela divulgada pelo Ministério da Saúde, 907.200 doses da CoronaVac já estão separadas para os indígenas de todas as regiões do Brasil. A divisão das doses entre os estados será feita da seguinte forma:

Região Norte

– Rondônia – 33.040
– Acre – 13.840
– Amazonas – 69.880
– Roraima – 10.360
– Pará – 124.560
– Amapá – 15.000
– Tocantins – 29.840
– Total de doses – 296.520

Região Nordeste

– Maranhão – 123.040
– Piauí – 61.160
– Ceará – 186.720
– Rio Grande do Norte – 82.440
– Paraíba – 92.960
– Pernambuco – 215.280
– Alagoas – 71.080
– Sergipe – 48.360
– Bahia – 319.520
– Total de doses – 1.200.560

Região Sudeste

– Minas Gerais – 561.120
– Espírito Santo – 95.440
– Rio de Janeiro – 487.520
– São Paulo – 1.349.200
– Total de doses – 2.493.280

Região Sul

– Paraná – 242.880
– Santa Catarina – 126.560
– Rio Grande do Sul – 311.680
– Total de doses – 681.120

Região Centro-Oeste

– Mato Grosso do Sul – 61.760
– Mato Grosso – 65.760
– Goiás – 182.400
– Distrito Federal – 105.960
– Total de doses – 415.880

Fonte: Pleno News

Em pronunciamento após autorização pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) do uso emergencial de duas vacinas contra a Covid-19 no Brasil, o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, disse ter em mãos os imunizantes, mas afirmou que não iria começar a aplicação de doses neste domingo (17), em um “ato simbólico ou um ato de marketing”.

Ao mesmo tempo, o governador João Doria (PSDB) fez evento em que houve a vacinação da primeira pessoa no Brasil com a CoronaVac, desenvolvida pelo Instituto Butantan e o laboratório chinês Sinovac.

– O Ministério da Saúde tem em mãos, neste instante, as vacinas tanto do Butantan quanto da AstraZeneca. Nós poderíamos, num ato simbólico ou numa jogada de marketing, iniciar a primeira dose em uma pessoa. Mas em respeito a todos os governadores, prefeitos e todos os brasileiros, o Ministério da Saúde não fará isso. Não faremos uma jogada de marketing – afirmou.

Conforme o ministro, o governo federal determinou que a vacinação contra a Covid-19 seja executada pela pasta e argumentou que não poderia ser desprezada a igualdade entre todos os Estados e todos os brasileiros. Ele ainda conclamou os governadores a não permitir movimentos político-eleitoreiros relacionados à vacinação.

Segundo ele, foi “dado o primeiro passo para o início da maior campanha de vacinação do mundo” e a distribuição da vacina será iniciada nesta segunda, a partir das sete horas, para todos os estados.

O imunizante produzido pela Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca, que teve aval de uso emergencial pela Anvisa, não está no Brasil. O governo federal tentou a importação de 2 milhões de doses na Índia, mas o plano enfrentou problemas. O avião que iria para o país asiático buscar o produto nem chegou a decolar. Com isso, o governo federal se apressou para solicitar nessa sexta, 15, as doses da CoronaVac do Instituto Butantan para começar a campanha de vacinação.

Segundo Pazuello, o plano de trazer as doses da Índia não foi levado à frente porque o governo local ainda não havia começado a campanha de imunização contra a Covid-19. O desgaste político dos governantes indianos de eventual liberação das 2 milhões de doses antes de começar a vacinação local, portanto, foi um empecilho.

– Estamos nas negociações diplomáticas para que seja autorizada a entrega – afirmou Pazuello.

*Estadão

Fonte: Pleno News

Apesar de ter sido testado e dado resultado positivo para a Covid-19, o músico Marcelo D2 não parece ter ficado muito preocupado com a doença. Isso porque, quatro dias depois ter anunciado o diagnóstico, o artista foi flagrado aproveitando um churrasco com amigos ao lado de sua esposa. A imagem circulou pelas redes sociais e chamou a atenção de usuários.

O anúncio foi feito por D2 no último sábado (9), quando anunciou que ele e a esposa haviam testado positivo para a doença. Ele informou, porém, que ambos estavam assintomáticos.

A foto do churrasco, no entanto, foi feita na quarta (13), de acordo com o site Metrópoles. A imagem acabou sendo compartilhada nas redes sociais pelo sambista Leandro Sapucahy.

Ao fazer o anúncio, D2 afirmou que esposa estava no 12º dia da doença.

Fonte: Pleno News

Nesta sexta-feira (17), o CEO da rede social Parler, John Matze, revelou que ele e sua família estão sofrendo ameaças de morte. Por causa disso, eles tiveram que mudar de residência.

A informação foi divulgada em um processo apresentados pelos advogados do Parler.

“O próprio Matze […] teve que deixar sua casa e se esconder com sua família após receber ameaças de morte e violações invasivas de segurança pessoal”, apontou o trecho do documento.

A rede de TV Fox News informou que John Matze teve seu endereço divulgado por um grupo chamado UGNazi, que a intenção era que a residência do CEO do Parler fosse invadida.

John Matze com a filha e a esposa Alina

 

Fonte: Pleno News

Após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovar o uso emergencial da CoronaVac, o governador de São Paulo, João Doria, “correu” para vacinar a primeira pessoa contra a Covid-19 no Brasil. Ele participou do evento onde Monica Calazans, de 54 anos, enfermeira no Instituto Emílio Ribas, em São Paulo, foi imunizada. O que chamou a atenção de usuários de redes sociais, no entanto, foi a imagem enviada por sua assessoria para “promover” o evento.

Na foto, Doria aparece ao lado da enfermeira tentando conter as lágrimas ao e mostrando forte emoção.

Críticos do governador, no entanto, o acusaram de ‘fazer teatro’.

 

Fonte: Pleno News

A cantora Anitta foi parar nos assuntos mais comentados do Twitter após ser flagrada sem máscara atirando dinheiro para o alto em meio a um clube de stripper na madrugada deste sábado (16). A artista estava acompanhada do rapper Tyga, ex-namorado de Kylie Jenner, cercada por mulheres seminuas dançando sobre vários dólares espalhados sobre o chão.

O vídeo foi compartilhado pelo músico norte-americano e viralizou nas redes sociais. A funkeira foi “cancelada” pela incoerência de seu discurso sobre a pandemia da Covid-19.

Internautas questionam não apenas a falta do uso da máscara, mas sua atitude de jogar dinheiro para o alto enquanto muitos artistas têm se mobilizado para auxiliar Manaus, que vive estado de calamidade devido ao vírus da Covid-19.

– Estava começando a enxergar a Anitta com outros olhos, mas vamos combinar que mandar um “governo faça alguma coisa” e um dia depois estar jogando dinheiro pro alto com o Tyga é a gota d’água – escreveu Paulete, uma usuária do Twitter.

Alguns fãs, no entanto, optaram por defender a cantora.

– E a Anitta sendo mais uma vez cancelada porque estava numa boate com o Tyga. Gente vocês não cansam não? Monte de macho do meio sertanejo fazendo m**** todo santo dia, mas vocês insistem em atacar ela. Mulher que veio da favela cantando funk. Preciso nem dizer mais – escreveu Mateus, admirador da artista.

 

Fonte: Pleno News

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo publicada neste domingo (17), o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, defendeu o presidente Jair Bolsonaro, definido por ele como o “mais atacado ao longo dos últimos anos”. Mourão criticou os pedidos de impeachment e mandou um recado: “Deixa o cara governar, pô”.

As declarações foram dadas ao ser questionado sobre os mais de 50 pedidos de impeachment contra Bolsonaro que estão parados na Câmara dos Deputados. Mourão disse não ver condições de nenhum deles prosperar.

– Não vejo hoje que haja condição de prosperar qualquer pedido de impeachment contra o presidente Bolsonaro, o mais atacado, ao longo dos últimos anos. Desde o dia anterior à posse o tiroteio já era grande em cima dele. Quantos pedidos de impeachment o Sarney, o Fernando Henrique, o Lula tiveram? Só a Dilma, coitada, é que não conseguiu sobreviver. E o Collor, obviamente. Aqui no Brasil qualquer coisa é impeachment, né? Deixa o cara governar, pô! Os pesos e contrapesos do nosso sistema democrático são mais do que suficientes para barrar qualquer tentativa de um governante de sair do leito da Constituição – apontou.

Mourão também foi indagado sobre a relação entre Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Para o vice, Maia faz muitos ataques diretos ao presidente.

– O deputado Rodrigo Maia ataca muito frontalmente o presidente, inclusive com palavras fora do tom, chamando-o de covarde, mentiroso – ressaltou.

Fonte: Pleno News

Relatora de ambos os pedidos de uso emergencial de vacinas da Covid-19, Meiruze Freitas, diretora da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), votou a favor da liberação experimental da CoronaVac e da vacina de Oxford/AstraZeneca. Ela finalizou sua decisão fazendo referência a sua fé em Jesus.

– Antes de prosseguir, gostaria de declarar: Porque Ele vive, posso crer no amanhã – citou uma tradicional canção cristã.

Meiruze disse que o benefício de ambos imunizantes superam os riscos e atendem aos critérios de qualidade e segurança necessária. Fez, entretanto, ressalvas à CoronaVac, pela falta de dados do Instituto Butantan acerca da imunogenicidade, o que impede de validar sua eficácia a longo prazo.

A relatora pediu um termo de compromisso feito junto a entidade paulista, garantindo a conclusão dos estudos em questão e o fornecimento dos dados até o dia 28 de fevereiro.

 

 

Fonte: Pleno News

O dólar começou a semana em queda. Às 9h13, a moeda americana recuava 0,19% ante o real, a R$ 5,2852. Sem negócios nos EUA por conta do feriado de Martin Luther King, a sessão deve ter menos liquidez.

A moeda brasileira tinha o segundo melhor desempenho mundial, atrás apenas do shekel israelense, num dia em que o dólar sobe ante 27 de seus 33 principais rivais. A sessão deverá ficar marcada pelo início da vacinação contra a Covid-19 no Brasil.

Ainda internamente, investidores reagiam ao Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), que registrou alta de 0,59% em novembro na comparação com o mês anterior, de acordo com dado dessazonalizado divulgado pelo BC nesta segunda.

O mercado elevou as projeções tanto para o crescimento econômico quanto para a inflação neste ano, de acordo com a pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central nesta segunda-feira.

Segundo o levantamento semanal, a projeção de crescimento do Produto Interno Bruto em 2021 aumentou a 3,45%, de 3,41%, permanecendo em 2,50% para 2022.

Já a perspectiva para a inflação em 2021 passou a 3,43%, de 3,34% no levantamento anterior, com a alta do IPCA em 2022 ainda calculada em 3,50%.

Lá fora

As bolsas asiáticas não tiveram sinal único nesta segunda-feira (18). A Bolsa de Tóquio caiu, em meio a temores sobre os riscos da Covid-19, enquanto Xangai subiu após a China publicar importantes indicadores mais cedo.

O Produto Interno Bruto (PIB) da China cresceu 2,3% em todo o ano passado ante 2019, segundo dados oficiais. Apenas no quarto trimestre, o avanço foi de 6,5% ante igual período de 2019, acima da previsão de alta de 6,0% dos analistas ouvidos pelo The Wall Street Journal.

A produção industrial cresceu 7,3% em dezembro, na comparação anual, acima da expectativa de alta de 6,8%, mas as vendas no varejo subiram 4,6% na mesma comparação de dezembro, abaixo da previsão de alta de 5,5%.

O Commerzbank destacou os números "mistos" de dezembro e advertiu em relatório para os riscos de baixa no primeiro trimestre deste ano, diante de novos surtos da Covid-19 em partes do país. Ainda assim, hoje a Bolsa de Xangai fechou em alta de 0,84%, em 3.596,22 pontos, e a de Shenzhen, de menor abrangência, subiu 1,48%, a 2.513,45 pontos.

Já na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei encerrou em baixa de 0,97%, em 28.242,21 pontos. Ações de montadoras e do setor financeiro pressionaram o índice, em meio a preocupações com a piora da pandemia da Covid-19. Subaru recuou 2,9% e Suzuki Motor, 1,9%.

No noticiário, foi divulgado que o Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) pode considerar uma maior flexibilidade em sua meta para o juro do bônus de 10 anos do país, em sua próxima revisão da política monetária.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng teve alta de 1,01%, em 28.862,77 pontos. A praça local ganhou fôlego em linha com os mercados chineses, após os dados da potência asiática. A China foi a única das grandes economias do mundo que cresceu em 2020, mesmo com a pandemia. Em Hong Kong, o setor de tecnologia liderou ganhos, com Sunny Optical em alta de 7,5% e Meituan, de 5,7%.

Na Coreia do Sul, o índice Kospi terminou em queda de 2,33%, em 3.013,93 pontos na Bolsa de Seul. O mercado local foi pressionado pela queda de 3,4% da Samsung Electronics. Papéis ligados à empresa também caíram, após um tribunal de Seul mandar o chefe de facto da gigante de tecnologia, Lee Jae-yong, de volta à prisão em um caso que envolve propinas. Ações ligadas a viagens também caíram, com Asiana Airlines em baixa de 12%.

Em Taiwan, o índice Taiex fechou em baixa de 0,03%, em 15.612,00 pontos. Após ficar em queda em boa parte do pregão, o Taiex reduziu perdas para terminar praticamente estável.

Na Oceania, o índice S&P/ASX 200 registrou queda de 0,78%, a 6.663,00 pontos, na Bolsa de Sydney. Mineradoras e bancos lideraram as perdas do mercado australiano.

(*Com Reuters e Estadão Conteúdo)

Fonte: CNN Brasil

O diretor do Laboratório de Imunologia do Instituto do Coração (Incor) e professor de medicina da Universidade de São Paulo (Usp) Jorge Kalil reforçou a importância do início da vacinação contra o Covid-19, mas ressaltou que os imunizantes tendem a ser aprimorados.

"Existe um esforço brasileiro para que tenhamos uma vacina própria. Eu acredito que pode ser das melhores", disse Kalil, completando: "Nós temos que utilizar os imunizantes o mais rápido possível, mas não significa que os primeiros serão as melhores."

 

Fonte: CNN Brasil

Após a aprovação do uso emergencial pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a enfermeira Mônica Calazans, de 54 anos, foi a primeira pessoa a ser vacinada contra a Covid-19 no Brasil. Ela recebeu o imunizante Coronavac, desenvolvido no país pelo Instituto Butantan, no Hospital das Clínicas de São Paulo, neste domingo (17).

Mônica foi a vencedora do prêmio Notáveis CNN em 2020 pela sua luta contra o coronavírus.

Mulher, negra e enfermeira da linha de frente 

Mônica Calazans, de 54 anos, mora em Itaquera, na zona Leste da capital paulista, e trabalha no hospital Emílio Ribas, referência no tratamento de Covid-19 no país. Para chegar ao seu trabalho, de acordo com um relato feito ao governo de São Paulo, ela leva cerca de uma hora e meia.

A enfermeira tem perfil de alto risco para complicações da Covid-19: é obesa, hipertensa e diabética. Mesmo assim, em maio, quando a pandemia atingia alguns de seus maiores picos, escolheu trabalhar no Emílio Ribas, mesmo ciente de que a unidade estaria no epicentro do combate à pandemia. Segundo ela, a vocação falou mais alto.

A profissional atuou como auxiliar de enfermagem durante 26 anos e resolveu fazer faculdade já mais adulta, e conseguiu o diploma de enfermeira aos 47 anos.

Corintiana, Mônica é viúva e mora com o filho Felipe, de 30 anos, conta que é minuciosa nos cuidados de higiene e distanciamento no trabalho e quando chega em casa.

"Quem cuida do outro tem que ter determinação e não pode ter medo. É lógico que eu tenho me cuidado muito a pandemia toda. Preciso estar saudável para poder me dedicar. Quem tem um dom de cuidar do outro sabe sentir a dor do outro e jamais o abandona"

Mônica Calazans, primeira pessoa vacinada contra a Covid-19 no Brasil

Heroína do ano

Mônica foi a vencedora do prêmio Notáveis CNN em 2020 pela sua luta contra o novo coronavírus. Ao receber o prêmio, ela se emocionou. "Eu não sei nem se essa palavra, heroína, cabe a mim. Falo por mim, por todos os profissionais de saúde que ainda estão na linha de frente e aqueles que não estão mais com a gente, que tentaram fazer um trabalho perfeito e foram arrebatados pela doença", disse.

No país com o maior número de enfermeiros vítimas da Covid-19 em todo o mundo, ela falou sobre como tem enfrentado a realidade da pandemia. A equipe da premiação acompanhou Calazans antes de ela saber que receberia o troféu.

"Desde o início, eu estou na linha de frente. Eu tenho hipertensão, tenho diabetes e obesidade. Eu não sei por que eu não tenho medo. Não consigo explicar isso. É uma profissão em que você não pode ter medo", contou a enfermeira.

"Você segura a onda e tem que trabalhar. Você tem que segurar o seu psicológico. Na realidade, você não pode se abalar com tudo o que está acontecendo. Você tem que ser muito forte", diz ela, que já perdeu quatro amigos para a Covid-19.

"Eu me considero vencedora, porque desde o início eu estou me dando de peito aberto para cuidar das pessoas. Eu só tenho a agradecer", revelou a enfermeira.

Ao receber o troféu, Calazans dedicou a homenagem a duas colegas de trabalho e ao filho.

"Quero dedicar a duas pessoas em especial. Uma delas é minha chefe, a Marli, enfermeira do Emílio Ribas. E a outra chefe é a Elizabete, enfermeira do outro hospital em que eu trabalho. Elas foram essenciais na minha vida nesse período. São pessoas admiráveis, pessoas ímpares", contou.

Intensivista Mônica Calazans, 54 anos, é a primeira brasileira vacinada no Brasi
Intensivista Mônica Calazans, 54 anos, é a primeira brasileira vacinada no Brasil (17 jan 2021)
Foto: Reprodução / CNN
Fonte: CNN Brasil

Durante reunião extraordinária realizada neste domingo (17), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou por unanimidade o uso emergencial das vacinas de Oxford/Astrazeneca e da CoronaVac.

A liberação ocorre em meio a incertezas acerca de alguns dados, já que as vacinas estão em desenvolvimento e os estudos ainda não foram concluídos. Mesmo assim, a Anvisa acredita que os benefícios superam os riscos, e diz que os imunizantes atendem aos critérios de qualidade, eficácia e segurança necessários.

– Essas vacinas estão certificadas pela nossa Anvisa. Elas foram analisadas por nós, brasileiros, no menor e melhor tempo estabelecido pelos nossos especialistas. Confie na Anvisa, confie nas vacinas que a Anvisa certifica. Quando elas estiverem ao seu alcance, vá e se vacine – pediu o diretor-presidente Antonio Barra.

A direção, entretanto, fez ressalvas especiais à CoronaVac, devido à ausência de dados de imunogenicidade, o que impede de validar sua eficácia a longo prazo. A relatora Meiruze Sousa Freitas solicitou que um termo de compromisso seja assinado pelo Instituto Butantan, garantindo o fornecimento dos dados até o dia 28 de fevereiro.

CAMPANHA DE IMUNIZAÇÃO
Com a liberação, os imunizantes poderão ser disponibilizados ao Sistema Público de Saúde (SUS), e o Plano Nacional de Imunização do governo Federal começará a ser executado. A comercialização das vacinas, contudo, segue proibida. Vale lembrar que a autorização provisória da Anvisa pode ser revogada, se necessário.

A vacina CoronaVac apresentou 50,4% de eficácia geral. Em casos leves da doença, o índice chega a 78%, e a 100% em casos graves. O imunizante é produzido pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.

Já a vacina de Oxford/AstraZeneca alcançou 70% de eficácia contra casos moderados e leves, e 100% nos graves. O imunizante é desenvolvido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)

 

Fonte: Pleno News
  Curta nossa página
  PUBLICIDADE

| Todos os Direitos Reservados |